Em 10 meses o PIX já é uma realidade nas transferências de pequenos valores, até junho de 2021 96% das chaves PIX criadas, mais de 282 milhões de chaves, são de pessoas físicas e aproximadamente 60% das empresas, quase 12 milhões, já possuem pelo menos uma chave PIX ativa.

Como os números apresentados pelo PIX impactaram outros meios de transferência de crédito, como boleto, TED, transferências entre conta de mesmo banco e operações com cartão de débito e crédito?

Em volumes de operações realizadas, o TED teve uma queda no uso de aproximadamente 10% , empurrando o volume de operações para o compatível com operado no primeiro trimestre de 2020, no entanto os boletos tiveram variação positiva, provavelmente como resultado do movimento de digitalização dos negócios durante o período de pandemia

Apesar dessa variação nos volumes das operações de transferência monetária por TED cresceram atingindo o patamar mensal de 3 trilhões de reais e o no caso do boleto houve a manutenção do patamar de 400 bilhões de reais mensais, então de onde todas essas transferências via PIX vem?

Simples, de microtransações antes inexistentes e da substituição de operações em papel moeda e cartões de débito e crédito por operações usando PIX.

A grande maioria das operações PIX feitas hoje são no modelo P2P, ou seja, entre pessoas físicas, somente 13% dessas operações são feitas de pessoas físicas para pessoas jurídicas, nesse momento o PIX ainda não teve adoção massificada como um meio de pagamento por empresas de comércio e serviços, mesmo que ele já esteja amplamente adotado pelos consumidores brasileiros.

Varejo e Meios de Pagamento

O meio de pagamento sempre foi um ponto sensível de qualquer varejista, seja pela qualidade do serviço, as taxas cobradas, a falta de preparo administrativo para implantar as soluções mais adequadas ou até pela própria limitação imposta a determinados ramos de atuação. Via de regra, o verejista faz uma espécie de peregrinação periódica em busca das melhores condições, fazendo com que alguns possuam  3 ou 4 maquininhas diferentes para aproveitar as melhores condições de cada um delas.

Com o advento do PIX o que se vê são os varegistas adotando “soluções de contorno” para o uso do PIX, por exemplo, uma padaria que colas a chave PIX no caixa e pede que o cliente envie por WhatsApp o comprovante da transferência realizada, outra opção bem comum é o uso do PIX integrado a maquininha, onde o cliente paga uma porcentagem sobre o valor processado em parâmetros próximos ao cobrado em operações com cartão de débito, tendo como vantagem principal um pequeno desconto e a transferência dos valores processados algumas vezes por dia.

Independente da opção escolhida, o resultado é sempre o mesmo, um processo doloroso de consolidação e fechamento de caixa para compatibilizar os pagamentos recebidos com o valor disponibilizado em conta e dependendo da solução escolhida, a dificuldade de identificação do efetivo recebimendo dos valores.

Juntam-se a essas dificuldades o processo de aceleração da digitalização dos varejos brasileiros, onde meios de pagamento tradicionais requerem o uso de gateways especializados ou de autorizações específicas para o processamento de pagamentos em ambiente digital, como é o caso de cartões de crédito e boletos por exemplo. De uma forma geral, esse é um ambiente super agressivo em que o varejo, principalemente o de pequeno porte, sente na pele o custo da implementações dessas soluções, que podem inclusive estarem indisponíveis ou terem condições diferenciadas (como a impossibilidade de realização de antecipação) a determinadas áreas de atuação, dependendo de como a empresa de meio de pagamento entende o risco da operação desse varejo.

Adotando PIX Como Meio de Pagamento

Se a vida do varejista ainda é complicada quando o assunto é PIX como você pode resolver o problema?

1. Você varejista precisa adotar um fluxo de pagamento usando PIX que seja simples, prático e rápido, tanto para o cliente, quanto para o colaborador que está frente de caixa e para o gerente que fará seu fechamento;

2. Você deve escolher por usar uma solução que permite verificar em tempo real a realização do pagamento e esse pagamento deve preferencialmente ser transferido diretamente para a conta bancária do seu negócio;

3. A solução precisa atender o fluxo de vendas realizado no físico e digital, independente do canal selecionado, a implementação nesses canais digitais deve ser descomplicada e você não deve pagar nada a mais por isso;

4. A solução escolhida precisa ser segura, ninguém além dos administradores da empresa devem ter acesso a integralidade das movimentações financeiras nem o acesso a realizar transferências de valores provenientes desses pagamentos.

Atualmente todo correntista Opey pode integrar o PIX como meio de pagamento de duas formas diferentes, a primeira é usando o nosso POS PIX integrado diretamente a sua conta de pagamento, com ele você pode criar múltiplos PDVs (Ponto de Venda) para identificar diferentes caixas ou origens, gerar o QRcode com o valor a ser pago e acompanhar o pagamento em tempo real. A identificação do pagamento normalmente leva até 5 segundos, o dinheiro é depositado diretamente na sua conta Opey e o histórico dos pagamentos recebidos armazena as principais informações que você precisa para fazer seus relatórios gerenciais.

Os Qrcodes gerados através do POS PIX podem ser compartilhados através de redes sociais, e-mail, outros canais digitais ou pode ser integrado diretamente ao seu e-commerce usando a API de integração disponível a todos os clientes do POS PIX.

Outra opção é você usar o recurso PIX diretamente através do app ou do nosso internet banking, ou integrar o recurso do PIX da sua conta de pagamento Opey diretamente no seu sistema, personalizando todo o processo de geração de Qrcode, do acocmpanhamento do recebimento e a criação de relatórios personalizados. Isso é possível através da API de integração da conta de pagamento Opey.

Seja qual for a sua escolha você poderá ter a disposição todos os recursos necessários para a integração eficiente do PIX como meio de pagamento no seu negócio entregando uma ótima experiência para o seu cliente e pagando pouco por isso.